quinta-feira, 17 de agosto de 2017

Culpa materna

Meu filho mais velho vai fazer 7 anos de idade, durante a maior parte do tempo em que sou mãe eu não compreendia o que significava a culpa materna.
Confesso com muita vergonha, que achava que a culpa era o prêmio que as mãe que não se esforçam o suficiente recebiam. E também uma desculpa "ai eu me sinto tão culpada por..." se sente tão culpada assim, porque não muda essa situação? Eu pensava...




Pior do que pensar, é viver isso. Porque nem tudo é tão facil, nem tudo depende só de nós.
A opinião das pessoas nunca me incomodou, mas a minha opinião sobre mim mesma sempre me forçava  a mais e mais.
E por mais que me esforçasse, a noite  ao dormir, os pensamentos eram sempre de derrota, fracasso e frustração.
"Devia ter feito diferente, devia ter tido mais paciencia, devia ter me controlado melhor, devia ter feito eles mais felizes".
Não dava nem tempo para pensar no quanto eu estava esgotada, o tempo todo cansada fisica e mentalmente. Sempre me esforçando pela a perfeição.
Entendam, não era para competir com nenhuma outra mãe, nem porque era "influenciada pela sociedade",  mas para dar o melhor de mim para os meus filhos. 
 Pelo menos era o que eu pensava...
A verdade é que eu dava cada vez menos para eles, e mais para as tarefas relacionadas a eles. 
Eu realmente continuo pensando que eles merecem o melhor sempre, mas sozinha eu nunca vou dar conta de tudo.
Agora me mudei para uma cidade menor, as meninas sairam da escola que ficava 18km da minha casa, o Miguel saiu do Judô que ficava a uns 20km 2x por semana e participa de um projeto na propria escola.
A Manu saiu da escola e agora dorme 2h a mais de manhã. Acorda toda serelepe
Finalmente estou começando a aprender, que a mãe perfeita, aquela que eu sonhei em ser não está construida ainda e nem sei se um dia conseguirei construí-la.
O fato de escrever esse texto, não quer dizer que abandonei todos os meus maus habitos, mas que estou avançando para o proximo estagio  - reconhecer.
Eu fico repetindo esse mantra pra mim mesma, para ver se internalizo "Mãe feliz, criança feliz".

Para encerrar o assunto, um vídeo do Marcos Piangers, resumindo tudo isso aí.



Gostou? Deixa seu comentário aqui no blog
Isso me anima muito a continuar compartilhando sobre os meus pensamentos.


Um comentário:

  1. Amei o texto, vai tocar varias mamães que estão passando pelo mesmo. bjs

    ResponderExcluir

Gostou? Deixa um comentário! Beijos